DOENÇAS DE INVERNO: Saiba como evitá-las

Clínicas veterinárias registram aumento de até 30% nos meses frios. Os cães são os primeiros a sofrer com as doenças da estação.

O inverno sempre chega com força total na região sul, e com ele uma preocupação: como cuidar de seu bicho de estimação e protegê-lo das doenças da estação? Mesmo que seu amigo esteja resguardado em casa, não há como garantir que fique livre dos problemas mais comuns que costumam atingir cães e gatos na época de baixas temperaturas. Isto porque as duas doenças de maior ocorrência, tanto para felinos como para os cachorros, são transmitidas por eles próprios, e à distância. Nesta época, a procura pelas clínicas veterinárias chega a aumentar em 30%.

De acordo com a veterinária Liziane Epple, de Canoas, os cães são os primeiros a sentir na pele, literalmente, o frio. Como a transmissão da virose entre os caninos é mais rápida do que nos gatos, eles são os primeiros a visitar os veterinários quando o clima esfria. Segundo ela, a doença típica de inverno é a Gripe Canina ou Tosse dos Canis, transmitida entre os animais pelas vias aéreas e mesmo à distância.

Os sintomas mais comuns são tosse, normalmente seca, que pode evoluir para tosse com catarro.

Segundo ela, a prevenção é fácil e a doença pode ser controlada através da vacinação. O tratamento é rápido e são necessárias apenas duas doses. A primeira é dada na hora e a segunda deve ser repetida em 21 dias, além de uma dose anual. Cada uma custa R$ 45,00.

"A vacinação é importante, especialmente para quem tem mais de um animal, pois o contágio se dá entre eles e um acaba passando para o outro. Mesmo se há um cachorro na vizinhança que está doente e o seu cão está dentro de casa, protegido, ele pode ficar doente - explica."

Já os gatos, conforme Liziane, sofrem com a rinotraqueíte, bastante comum em filhotes. A doença apresenta, como sintomas, secreção nasal e ocular e é transmitida de um animal para outro. O tratamento é o mesmo que para os cães, com duas doses de vacina com intervalo de 21 dias e uma anual. A pneumonia é outra doença que também costuma acometer os bichanos. A veterinária aconselha a manter os animais aquecidos, tanto gatos quanto cães, principalmente os de idade mais avançada, que têm imunidade baixa e são mais suscetíveis ao frio.

E atenção: quem tem cão de pelo longo não pode descuidar da escovação no inverno. Conforme a veterinária, alguns donos usam roupas para proteger seus amigos e acabam esquecendo de escová-los. Este hábito importante evita a formação de nós, que levam às lesões de pele típicas da umidade, como fungos.

Cuidado com a desidratação:

Ainda segundo Liziane Epple, embora esteja frio e aparentemente se tenha pouca sensação de sede, os donos de pets não podem se descuidar da hidratação dos seus bichinhos. Os gatos são mais propensos a desenvolver cálculos nas vias urinárias, e um dos motivos é a baixa ingestão de líquidos. Por isso, é muito importante oferecer água e uma dieta mais úmida a eles.

Estimular o gato a tomar muita água e observar suas preferências é uma boa dica. Alguns preferem beber direto da torneira, em pequenas fontes ou até mesmo em grandes vasilhas.


Fonte:
Adaptado do Encarte "Cães e Gatos" de 28/07/2012, jornal Zero Hora, Porto Alegre, RS.
(sem referência de autoria)

Leia também as dicas sobre frio, calor e dor, o artigo sobre cuidados básicos de higiene e as dicas sobre dores musculares, que aumentam muito no frio.


Curta nossa página no Facebook e receba as atualizações diretamente:
Dicas de cuidados          :          Plantas medicinais        :          Artigos          :        Doenças        :        Adoções        :          Contate-nos
• ©2012www.NossosAmigos.com.br •
Nosso eterno mascote 'Peludo'
Atelier Crisfios